Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Onde estavas tu no dia 25 de Abril de 1974?

Começo  por mim.
Era eu uma menina de dezassete anos....(pronto, já estão a contar pelos dedos para descobrirem que idade tenho), que estudava na Escola Industrial e Comercial do Funchal no antigo quinto ano (agora nono), e não percebia nada do que se passava, mas a palavra fascismo inquietou-me e aguçou a minha curiosidade ao ponto de na aula de História que, por sinal a tinha nesse dia, perguntar à professora o que queria dizer.
Ela explicou para a turma e continuámos nas aulas sem saber bem o que era uma revolução pois que em História aprenderamos que revolução tinha havido uma em França há muitos anos. E houvera também muitas guerras. De resto, nada.
E depois.....
Era muita areia para a minha bicicleta e eu queria era namorar.
E vocês meus amigos lindos, também eram assim como eu: burrinha, tapadinha dos olhos? Claro que não!
Um...Dois... Três...É a tua vez.

Fotografia: um hibisco ou cardeal da minha casa.

Shite, para aqueles que se esqueceram do português

Como sabeis vou muito a Londres uma vez que tenho lá os meus irmãos e, a coisa que me faz saltar a brotoeja e coçar o carrrolo o dia todo é, precisamente, aqueles portugueses que saem do seu país e, assim que chegam a Gatuíque, sim que os portugueses usam as laucostes, começam logo a falar inglês. É o indergrounde, é o base, vão logo aos shopes, deixam de comer peixe e começam a comer fiche. Dizem camone em vez de vamos, todas as pessoas são uns sanofabiteche. Mas o melhor é deixar de levantar um dedo, o do meio, e passam a levantar dois em forma de v.
Se os filhos nascem lá, aí sim, a sua língua materna fica encostada na parede e dali para a frente só o inglês predomina.
O problema é que sem saber falar o inglês correcto deixam a sua língua arrumada na gaveta e só falam português na presença dos filhos quando brigam....Uma forma de poder mandar para  o alto do mastro do navio sem que as crianças entendam. Olhem que conheço e cumprimento este casal.
Ora, como pode uma família de quatro pessoas que saíram de Portugal todos juntos e que falavam português em casa, óbvio, assim que chegam à Inglaterra, tungas, agora só inglês...
Se me justificarem bem justificado não que eu sou assim a modos que estúpida neste assunto pode ser que a minha opinião mude enquanto isso acho uma estupidez obrigar os filhos a falar inglês em casa (não chega na escola?) E continuar a falar português em casa não era uma forma de as crianças saberem duas línguas?

domingo, 23 de abril de 2017

Piscinas Naturais do Seixal










Sou rapariga de palavra como podem comprovar. O que é prometido é de vidro, perdão, é devido. São de água do mar, salgadas e naturais. Um regalo olhar para elas.
"Soberbo", como dizia um estrangeiro retendo a respiração.

Hoje é domingo dia de cruzar as pernas

Domingo...
Se antes detestava este dia é só a pronúncia do seu nome dava-me uma brotoeja no corpo e ficava de trombas o dia inteiro: por ser véspera de semana preenchida de aulas, dia de preparar as lições, programar, projectar a semana, presentemente, só a pronúncia do seu nome faz aparecer um sorriso rasgado na cara.
Domingo, na actualidade, é um dia para relaxar. Nao que não faça planos semanais, mesmo sem ser profissional o hábito ficou, mas agora aproveito para passear pela minha ilha, captar bons momentos, brincar com os netos e retomar energias positivas. Uma leveza portanto.

À noite mostro alguns sítios bonitos do meu rural.
A todos um excelente domingo, força para iniciar a semana de trabalho. Custa, eu sei, mas no fim é compensador. Palavra de avoGi, Técnica Superior de Lazer.

sábado, 22 de abril de 2017

Eu não morrerei com palavras atravessadas na garganta

Pensamento a ter em conta, por isso há que dizer tudo, nada de guardar para dizer amanhã o que se pode dizer hoje.

De que serve ter um amigo?

Vem isto a propósito de alguém que está a atravessar um momento crítico na sua vida e é quando mais precisa de desabafar para expurgar a alma, pedir conselhos e que as amigas comprovem a veracidade dos factos e as amigas, essas, não comparecem ao tribunal. Acobardam-se.
De que serve dizer-se amigo de alguém se na hora em que mais precisa lhe vira as costas? Por isto digo, minhas senhoras e meus senhores, ponham os olhos em vez do coração ao escolherem os amigos. E sabem?, falo com conhecimento de causa. Por isto, reforço a minha teoria que: amigos é uma palavra que muitos não conhecem o significado. Acreditem.

E, relendo a frase, digo que "há amigos que te ajudam a cair".